Muito haveria para dizer sobre os dentes de leite, mas hoje partilho convosco apenas
algumas notas sobre este tema.

Os dentinhos de leite são o primeiro conjunto de dentes de um ser humano. Geralmente, rompem a gengiva por volta dos 6 meses, causando grande desconforto ao bebé e muitas preocupações aos pais, mas o seu desenvolvimento não começa nessa altura, começa durante a gravidez, mesmo que ninguém os veja. Às vezes ouvimos histórias de bebés que nascem com dentes: é raro, mas não é razão para ficar assustado, significa apenas que a dentição se desenvolveu mais depressa que o habitual.

A vitamina D desempenha um papel importantíssimo na formação dos dentes do bebé, durante a gravidez e depois do nascimento. Primeiro deve ser a mãe a receber boas doses de vitamina D, para que sejam passadas ao bebé durante a gestação e através do leite materno, depois, a criança receberá a vitamina D directamente, através do sol – principal fonte – e de alimentos como peixes gordos, ovos e cogumelos. Entre os seus diversos benefícios, a vitamina D ajuda a fixar o cálcio – tão importante para os dentes e ossos – que recebemos através de alimentos como bróculos, agrião, espinafres, couve, grão-de-bico, amêndoas, linhaça, aveia ou chia.

Uma boa dentição, especialmente durante a infância, facilita o processo de mastigação, aprendizagem da fala e até da respiração. Dentes de leite bem posicionados e saudáveis, irão auxiliar o crescimento adequado dos ossos e músculos do rosto.

Aos 6/7 anos de idade, os dentes de leite começam a cair para darem lugar ao conjunto de dentes definitivos. Não se deixe enganar, embora sejam temporários, os dentes de leite devem receber todos os cuidados de higiene: escovagem diária, utilização de fio dentário e visitas semestrais ao higienista. A forma como tratamos os dentes de leite vai ajudar a definir como vão ser os dentes seguintes, aqueles que vamos ter durante toda a nossa vida.

2017-08-09T10:06:09+00:00