Bruxismo (bru-xis-mo) s.m. Mania ou acção inconsciente ou involuntária de ranger os dentes, normalmente durante o sono.

Devemos, desde pequenos, aprender a ouvir o nosso corpo e interpretar os alertas que ele nos dá. Quando algo não está bem com a nossa saúde, o corpo dá-nos pequenos sinais que podemos aprender a interpretar: uma dor de cabeça ao fim da tarde pode querer dizer que temos os olhos cansados, barriga inchada pode querer dizer que comemos algo que não devíamos, pele seca pode querer dizer que andamos a beber pouca água… enfim, são diversos os exemplos, uns mais fáceis de interpretar do que outros. O bruxismo é – além do que nos diz a definição do dicionário que coloquei acima – mais uma dessas manifestação do nosso corpo, dizendo-nos que algo não está bem.

As causas que levam ao bruxismo não estão completamente definidas, mas as razões mais comuns que levam ao ranger dos dentes durante a noite estão normalmente ligadas com a vida que temos durante o dia. Ansiedade, stress ou frustração, são estados frequentemente encontrados na origem do bruxismo, tanto em crianças como em adultos. Em fases menos boas da nossa vida, muitas vezes nem a dormir encontramos a tranquilidade necessária; as horas de sono não são de qualidade, o corpo (nem a mente) descansam completamente, e uma das manifestações pode ser o bruxismo: pressionar os dentes de cima contra os de baixo e ranger os dentes, às vezes com tanta força que acorda quem está ao lado.

Podem, claro, existir outras razões que levam ao bruxismo, como o desalinhamento dos dentes, efeitos secundários de medicamentos (como os antidepressivos), resposta à dor de ouvidos ou de dentes (muito comum nas crianças), complicações de outras doenças (como a doença de Parkinson), etc.

O grande desafio é descobrir que sofre de bruxismo. Se dormir acompanhado, é possível que essa pessoa o veja a ranger os dentes ou acorde com o ruído, se não, é possível que você mesmo acorde com o ruído. Mas existem outros sintomas que o poderão ajudar:

  • Dentes soltos, lascados ou fracturados, sem razão aparente;
  • Dentes achatados ou superfície desgastada, expondo por vezes o nervo do dente;
  • Aumento da sensibilidade dentária;
  • Acordar com dores nos maxilares e no rosto, especialmente junto aos ouvidos, ou dor de cabeça.

Identificou-se com este cenário? O primeiro passo é procurar um dentista. Seja qual for a causa que o levou a este comportamento durante o sono, são os seus dentes que estão a sofrer a maior consequência. A solução mais rápida, e que recomendo, é a utilização de um protector bucal (a conhecida goteira) que, de imediato, irá minimizar a dor, se esta existir, reduzir o ranger e evitar mais danos permanentes. No entanto, este passo poderá não passar de um “penso rápido”, ou seja, a goteira vai proteger os seus dentes, mas a verdadeira causa que o levou ao bruxismo deve ser procurada e tratada.

Se a origem estiver realmente no seu estilo de vida, o meu conselho é que o repense. Há muitas pequenas coisas na nossa vida que podem ser mudadas por nós mesmos – e que não custam tanto como nos parece inicialmente – que podem trazer inúmeros benefícios. Em casos mais extremos, em que for necessária ajuda externa, recorra a médicos de outras especialidades, como por exemplo, um psicólogo.